Pular para o conteúdo principal

QUEM DEVE SUSTENTAR A CASA?



Sabemos que o Direito se mete na vida das pessoas com a finalidade de organizar a vida em sociedade, para evitar que o convívio social vire uma verdadeira bagunça, em que o mais forte imponha o seu poder.

Por mais estranho que pareça, essa intromissão do direito adentra a forma com o marido e mulher devem gerir a administração do lar. Isso se dá para evitar que o marido, normalmente o mais forte fisicamente e financeiramente na relação, imponha suas vontades à mulher, que por vezes está em uma situação de vulnerabilidade.


Os deveres do casamento estão previsto no art. 1.566 do Código Civil, e são os seguintes:
Art. 1.566. São deveres de ambos os cônjuges:
I - fidelidade recíproca;
II - vida em comum, no domicílio conjugal;
III - mútua assistência;
IV - sustento, guarda e educação dos filhos;
V - respeito e consideração mútuos.
Veja que um dos deveres é o de mútua assistência. Essa assistência não é só material, mas também psicológica, espiritual e moral.

Quanto a assistência material, essa disposição da lei indica que o sustento do lar, com a compra do necessário para a sua manutenção e o pagamento das despesas decorrentes da utilização da residência conjugal, além da compra de bens necessários aos cônjuges, roupas, alimentos, itens de higiene, eletrônicos, etc, não deve ficar a cargo de somente um cônjuge, mas sim serem arcados pelo marido e pela mulher na proporção de seus rendimentos.



Com efeito, cabe ao marido e a mulher a prestação de assistência recíproca, seja de forma afetiva ou financeira.

É Claro que se apenas um deles aufere renda, a ele caberá todo o sustento material do lar. Contudo, se ambos tiverem renda, ainda que de valores diferentes, caberá aos dois arcar com os custos da manutenção da família, na mesma proporção dos seus rendimentos.

Inclusive, se isso não for feito, a lei prevê que marido ou mulher poderá contrair dívidas para a manutenção da família e que essa dívida obrigará também o outro, que não contribuiu com o necessário, como podemos ver dos arts. 1.643 e 1.644 do Código Civil:

Art. 1.643. Podem os cônjuges, independentemente de autorização um do outro:
I - comprar, ainda a crédito, as coisas necessárias à economia doméstica;
II - obter, por empréstimo, as quantias que a aquisição dessas coisas possa exigir.
Art. 1.644. As dívidas contraídas para os fins do artigo antecedente obrigam solidariamente ambos os cônjuges.

Assim, resta evidente que o sustento material da família cabe a ambos os cônjuges, não somente ao marido ou mulher, na medida de seus rendimentos.

Sobre o tema, o renomado jurista Pablo Stolze leciona que:
Com isso, temos como vedado o histórico e chauvinista comportamento do homem que, “involuindo” para a simples condição de macho, imagina estar cumprindo com a sua obrigação assistencial de marido simplesmente porque atende às necessidades materiais da sua família.
Não basta isso!
Com efeito, primeiramente, a obrigação de sustento da família não é, definitivamente, uma obrigação exclusiva do homem, mas, sim, de ambos os cônjuges, o que é explicitado, inclusive, no art. 1.568, CC-02, nos seguintes termos.

“Art. 1.568. Os cônjuges são obrigados a concorrer, na proporção de seus bens e dos rendimentos do trabalho, para o sustento da família e a educação dos filhos, qualquer que seja o regime patrimonial.”
Assim, superada está qualquer visão decorrente da concepção machista da codificação anterior, que visivelmente elegia o marido como o provedor principal da família.

Ademais, a união matrimonial implica auxilio mútuo não apenas na seara econômica ou material, uma vez que a condenação da esposa ao desprezo constante ou ao próprio abandono — ainda que sem a existência de violência física — poderá estar moldando um cenário abjeto de desrespeito ao dever de assistência moral, permitindo, com isso, a dissolução do casamento e, até mesmo, se for o caso, o reconhecimento da responsabilidade civil do infrator.

De que adianta a assistência material de que o corpo necessita, sem a imprescindível assistência de espírito, exigida pelo coração da pessoa a quem nos unimos em matrimônio? (Novo Curso de direito civil, volume 6. 4 ed. São Paulo: Saraiva, 2014).

Logo, caso o bom senso não impere no lar, o Direito ajuda a decidir como as contas do casal deverão ser pagas.

Abraços.

Veja também:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…