Pular para o conteúdo principal

MOUSE ERGONÔMICO: VOCÊ PRECISA DE UM! (Review do Mouse Microsoft Wireless Sculpt Ergonomic L6V-00009)



Eu sei, este é um blog jurídico, mas não tem jeito, nós do direto utilizamos o computador diariamente e precisamos que esse uso seja confortável, por isso, depois da minha experiência com um mouse ergonômico, resolvi compartilhar a minha experiência.

Nunca pensei em comprar um mouse ergonômico, porque são caros e sempre pensei que era só mais um mouse. pela minha lógica era gastar centenas de reais para comparar algo que poderia ter pagando cerca de vinte reais.



Porém, atualmente grande parte das profissões exige que  fiquemos por muitas horas na frente de um computador. Quem trabalho com direito não tem uma vida diferente, normalmente fico cerca de dez horas por dia na frente de um computador, pois utilizo no trabalho e nos estudos em casa.

Aí não tem jeito, a utilização constante do mouse gera incômodo no antebraço e, por vezes, dores. Com o tempo o mouse pode ate causar LER e DORT que são lesões que incapacitam a pessoa para o trabalho, o que é muito grave.

Com a intensão de evitar essas lesões resolvi trocar de mouse, pesquisei bastante, muito mesmo, porque o mouse ergonômico, além de por vezes feio, é um item muito caro, então não queria jogar dinheiro fora.

São raras as avaliações em português, então, bom base em reviews estrangeiros resolvi comprar o Mouse Microsoft Wireless Sculpt Ergonomic L6V-00009, por dois motivo, o primeiro é que ele é bonito, não se parece em nada com aquelas tranqueiras que vemos em sites chineses, e o segundo é porque ele ainda guarda certa semelhança com os mouses comuns e terceiro porque a marca Microsoft me inspira uma certa confiança.

Tinha um ceto receio de ele ser muito grande, mas mesmo assim tomei coragem e gastei cerca de trezentos reais para comparar.

Depois de uma novela com os Correios, recebi o mouse e quando tirei da caixa tive a primeira surpresa, ela era menor do que eu esperava e bem mais pesado, além de ser bem bonito.

Pra ter uma ideia ó tamanho e formato é quase o mesmo de uma bola de tênis.
 


 

tem os botões normais, direito e esquerdo, de rolagem, e que já tive uma grata surpresa, a rolagem também é lateral, basta forçar para o lado a rodinha que as páginas vão, isso é muito útil.

Também tem um botão de voltar e um do windows, que não uso muito.

Também tem em baixo um botão liga e desliga e uma tampinha que fecha por meio de imãs e escondem duas pilhas Duracel, já incluídas, o que é ótimo.

O mouse se liga no computador sem fio, basta colocar um adaptadorzinho usb que tudo funciona imediatamente, sem precisar de nenhuma configuração, o que também me deixou muito feliz.

Ao usar minha primeira reação foi achar aquilo muito esquisito, porque você não coloca a mão sobre o mouse, como a gente está acostumado, mas sim na lateral. O espaço para o dedão que existe no mouse torna essa pegada natural.

Essa forma diferente de segurar o mouse é que o torna ergonômico, pois alivia a tensão nos tendões do pulso.

Demorei umas duas horas para me acostumar com essa pegada nova, e reclamei muito nesse tempo, mas depois disso foi como uma mágica.



Ao final do dia não senti nenhuma dor e quando cheguei em casa e fui usar o meu mouse normalzinho, não consegui.

Sério, não sei como, mas não acredito que passei anos usando mouses normais. eles parecem um instrumento de tortura do século passado depois que passei a usar o Mouse Microsoft Wireless Sculpt Ergonomic L6V-00009.

E agora fico carregando meu mouse de um lado para o outro, já que só tenho um e não quero usar outro, o que é um problema, já que ele é bem grande hehe.

Depois de uma semana usando intensamente o mouse não sinto mais nenhum incômodo no braço, mesmo depois de longas horas de trabalho no computador.

O investimento foi caro, mas compensa, você ganha em qualidade de vida. Nunca pensei que um mouse pudesse ser tão relevante.

Agora quero muito experimentar o teclado sculpt ergoomic da microsoft, mas esse é ainda mais caro e não disponho desse dinheiro todo no momento para investir em um teclado, vai ficar para a próxima.

Além disso, tenho medo de me acostumar tanto com o novo teclado e não conseguir usar os normais, o que tornaria minha vida muito difícil ao ter que carrega um teclado grande de um lado para o outro hehehe.

É isso. Compartilhei essa experiência para vocês saberem o quanto o mouse ergonômico fez diferença para mim, pois se eu soubesse disso antes já teria comprado há muito tempo. 

Abraços!

Gostou? sugira aí em baixo outros temas, abraços.

Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas

Veja também:


x












Comentários

  1. Oi, tenho uma dúvida, uma pessoa que tem uma união com alguém há 20 anos, mas nao mora junto, mas ficam juntos 2 a 3 dias na semana, quando essa pessoa falecer, tendo ele um imóvel, porém ele fez doacdo em vida com usufruto aos seus herdeiros, mas a companheira se conseguir comprovar união estável, poderá ter direito real de habitação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, para que a companheira tenha direito real de habitação ela deverá morar no imóvel, como já expliquei neste post: https://www.direitoemcapsulas.com/2014/02/direito-real-de-habitacao-na-uniao.html
      dê uma olhada.
      Nesse caso, como a companheira não mora na casa, mas apenas fica lá alguns dias na semana, ela não terá direito real de habitação.
      Ajude a divulgar o blog, compartilhe no Facebook.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…