Pular para o conteúdo principal

Notificações e Multa de Trânsito

Olá, você já foi multado no trânsito?

Bom, muita gente já foi e nessa hora sempre surge a dúvida se o procedimento para a aplicação da multa está correto, pois é, normalmente não está.

O Código de Trânsito brasileiro prevê a necessidade de dupla notificação, uma do auto de infração e outra da imposição da multa, e nem sempre os Detrans respeitam essas duas notificações, promovendo somente uma, o que torna a multa nula.


Quanto à necessidade de dupla notificação, não há qualquer dúvida, pois alem de comezinha interpretação do texto legal, é matéria objeto de Súmula do STJ:

“STJ Súmula nº 312 - 11/05/2005 - DJ 23.05.2005
Processo Administrativo - Multa de Trânsito - Notificações da Autuação e da Aplicação da Pena
    No processo administrativo para imposição de multa de trânsito, são necessárias as notificações da autuação e da aplicação da pena decorrente da infração.”

                                   Nesse sentido o próprio STJ já decidiu o seguinte:

EMENTA - RECURSO ESPECIAL - ALÍNEA "A" - PROCESSO ADMINISTRATIVO - CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO (CTB) - COMETIMENTO DE INFRAÇÃO - NECESSIDADE DE NOTIFICAÇÃO DO INFRATOR EM DUAS OPORTUNIDADES DEPOIS DA AUTUAÇÃO E APÓS O JULGAMENTO E APLICAÇÃO DA PENALIDADE (ARTS. 280 A 282 DO CTB).
"O sistema de imputação de sanção pelo Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503/97) prevê duas notificações a saber: a primeira referente ao cometimento da infração e a Segunda inerente à penalidade aplicada, desde que superada a fase de defesa quanto ao cometimento, em si, do ilícito que ao imputado concede-se a garantia de defesa antes da imposição da sanção, sem prejuízo da possibilidade de revisão desta" (RESP 426.084/RS. Relator Min. Luiz Fux, DJU 02.12.2002). (STJ - 2ª Turma, REsp nº 489.126 - RS, Relator Ministro Franciulli Netto, j. 22.03.2203, v.u., DJU 26.05.2003, seção 1, pg. 355).”

                                   Como deixou bem claro o, hoje Ministro do Supremo Tribunal Federal, Min. Luiz Fux, o nosso sistema prevê a dupla notificação, sendo que a ausência de qualquer delas gera a inevitável anulação das multas impostas, porquanto tais notificações representam critério objetivo do procedimento administrativo de trânsito.

Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas

Comentários

  1. E neste caso? Apareceu uma multa de estacionamento em canto proibido pra mim só vi agora ao pagar o licenciamento. Não sou deste tipo, sempre fui mui vigilante, nunca me deixaram como deveria ser de costume uma comunicação, o que fazer?

    Posso publicar em meu blog esta boa matéria? direito7.blogspot.com?

    ResponderExcluir
  2. Olá Pr. Emerson, dando os créditos e colocando um link para o meu artigo é uma honra ter a matéria publicada no seu blog.
    Quanto a multa, se o seu endereço está atualizado no cadastro do Detran o seu caso é exatamente o mostrado acima, ou seja, a multa é nula por ausência de notificação. Para isso vc pode optar em entrar com mandado de segurança ou ação declaratória de nulidade de multa contra o Detran, a juriprudência é pacífica, sendo a matéria até objeto de súmula, não tem erro.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. você poderia me explicar melhor o que seria essa dupla notificação? eu deveria receber dois comprovantes pelo correio, seria isso?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

Doação de pais para um filho precisa da concordância dos demais?

Olá, recebi a seguinte dúvida:

Somos 05 irmãos e meus pais estão querendo doar, pois sou eu que moro e cuido deles,os demais moram fora e já possuem suas casas, só que 02 irmãos não querem assinar a doação. Minha dúvida é: neste caso meus pais podem doar a casa para mim sem o consentimento dos 02 irmãos, se não puder fazer a doação e eu continuar morando na casa futuramente meus irmãos podem me tirar da casa? Obrigado

Esta dúvida muito recorrente aqui no blog, então resolvi fazer um post somente para ela.

De início é importante ressaltar que os pais podem doar seus bens para quem quiserem,

independente da vontade, anuência ou concordância dos seus filhos.


Pode mesmo? Sim pode!

Os pais não precisam da anuência de um filho para fazer qualquer doação para o outro, essa necessidade de anuência é um mito.

Contudo, se fosse o caso e venda de bem dos pais para um filho, aí sim neste caso é necessária a anuência dos demais filhos, conforme dispõe o art. 496 do Código Civil:

Art. 496. É an…