Pular para o conteúdo principal

VIÚVO PODE CASAR NOVAMENTE SEM FAZER INVENTÁRIO DOS BENS DA PRIMEIRA ESPOSA?



Olá, recebi a seguinte pergunta:


Bom dia, gostaria de saber o seguinte:
Um casamento, cuja relação não tiveram filhos, e o marido pretende casar novamente. Há necessidade de realizar o inventário, observando a nova redação que o C.C deu ao "não devem" (não impede desde que observadas as exigências, quando se trata da proteção da herança quando deste casamento advém filhos). Porém, neste caso, não tiveram filhos, desta feita, há necessidade da realização do inventário? E o regime de bens fica de livre escolha?


A nossa leitora quer saber se o viúvo pode se casar novamente sem fazer inventário da primeira esposa.


Já comentamos aqui que o viúvo, ou a viúva, que quiser se casar novamente e escolher livremente o regime de bens deve fazer o inventário.


Ou seja, ele pode se casar sim, sem fazer inventário, mas nesse caso o casamento será regido pelo regime da separação obrigatória de bens.


A necessidade de inventário para que o viúvo possa escolher o regime de bens decorre de texto expresso do código civil, (art. 1.523, I c/c 1.641, I do Código Civil) e não deve ser interpretada apenas em favor dos filhos, mas de todo e qualquer herdeiro, como por exemplo dos ascendentes da esposa falecida, ou mesmo de seus eventuais credores.


A Lei trouxe essa hipótese para garantir a transferência do patrimônio do cônjuge falecido a quem de direito, inclusive com o pagamento de todos os impostos (inclusive o ITCD).


Note-se que o novo casamento casamento em regime da comunhão universal faria com que a nova esposa fosse meeira daquela herança e no caso do falecimento do viúvo ela já seria proprietária da metade da herança e não pagaria o ITCD sobre essa porção.


Isso lesaria o Estado em metade do valor do ITCD devido.


A jurisprudência inclusive entende que para escolher livremente o regime de bens do casamento o viúvo, mesmo se não tiver bens, terá que fazer o inventário negativo:


APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE CAUSA SUSPENSIVA DE CASAMENTO. INDEFERIMENTO DA INICIAL. ALEGADO EQUÍVOCO DO CARTORÁRIO AO CONSTAR NA CERTIDÃO DE ÓBITO DA NUBENTE A EXISTÊNCIA DE BENS A INVENTARIAR. INCIDÊNCIA DO ART. 1.523 , I , § ÚNICO , DO CC . NECESSIDADE DE REALIZAÇÃO DO PEDIDO NA FORMA DE INVENTÁRIO NEGATIVO. OPORTUNIZAÇÃO DE EMENDA À INICIAL. INTELIGÊNCIA DO ART. 284 DO CPC . SENTENÇA CASSADA. RECURSO DESPROVIDO. Não se olvide que o legislador inovou no novo Código Civil ao inserir o parágrafo único do art. 1.523 , trazendo, na prática, a possibilidade de os nubentes solicitarem ao juiz a não aplicação da causa suspensiva, sem que seja apenas via inventário negativo; porém, face a dúvida advinda com a informação constante na certidão de óbito, tem-se como prudente a realização de inventário negativo. (TJ-SC - Apelação Cível AC 78736 SC 2007.007873-6 (TJ-SC), Data de publicação: 11/07/2007)

Portanto, entendo que mesmo se o casal não tiver tido filhos, para se casar de novo e escolher o regime de bens o viúvo terá que fazer o inventário, sob pena de o novo casamento se dar pelo regime da separação obrigatória de bens.

Abraços.

Compartilhe!

Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas

Veja também:

ITCD: lançamento e decadência

Herança: incide ITCD sobre todo o monte?

União Estável: há direito a herança?
Só me separei de FATO, TENHO ALGUM DIREITO???
Comunhão Universal de Bens: há herança?
Casamento: Comunhão Parcial de Bens
Separação de Bens: e agora? (doação a um só filho)
Quem cuida da herança???
Direito Real de Habitação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…