Pular para o conteúdo principal

Você é Doutor???


Os Operadores do Direito em geral, como Advogados, Promotores, Juízes, Procuradores, Delegados, Tabeliães, etc, normalmente se autointitulam de Doutores, embora pouquíssimos realmente tenham concluído (ou ao menos iniciado) um curso universitário de Doutorado.

Mas podem realmente ser intitulados como Doutor? Afinal esse não é um pronome de tratamento, como Vossa Senhoria, Excelência, etc, e sim um título acadêmico regulado por lei.


A Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional preceitua que:

Art. 44. A educação superior abrangerá os seguintes cursos e programas:       
 
I - cursos seqüenciais por campo de saber, de diferentes níveis de abrangência, abertos a candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos pelas instituições de ensino, desde que tenham concluído o ensino médio ou equivalente; 
II - de graduação, abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo; 
III - de pós-graduação, compreendendo programas de mestrado e doutorado, cursos de especialização, aperfeiçoamento e outros, abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino; 
IV - de extensão, abertos a candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos em cada caso pelas instituições de ensino.

Logo, somente são doutores os que concluírem com êxito os cursos de pós-graduação nos programas de doutorado em Universidades devidamente reconhecida pelo MEC.

Apesar da tradicional alegação de que o título de doutor foi conferido aos advogados por Dom Pedro, na época do Império, é importante lembrar que o império já acabou faz tempo e essa lei já foi revogada, pois é incompatível com a LDB e, portanto, ocorreu a revogação tácita.

Porém, ainda que não tivesse ocorrido essa revogação, a lei do império também não conferia automaticamente o título de doutor aos juristas, ela dizia o seguinte: 


Os que freqüentarem os cinco annos de qualquer dos Cursos, com approvação, conseguirão o grau de Bachareis formados. Haverá tambem o grau de Doutor, que será conferido àquelles que se habilitarem com os requisitos que se especificarem nos Estatutos.


Pelo texto legal, quem se tornasse bacharel também poderia obter o grau de doutor, desde que cumpridos requisitos específicos, como a defesa de teses etc, exatamente como é hoje.

Então Advogados, Promotores Juízes etc não são doutores?

Em regra não, a não ser que tenham concluído curso de doutorado.

O Conselho Nacional de Justiça já se manifestou sobre o assunto deixando claro que é para se evitar a utilização indiscriminada do título de doutor para bacharéis:

Então está claro: Só é DOUTOR quem fez DOUTORADO!

PS: É a mesma coisa com médicos, só serão doutores se fizerem doutorado.

Abraços!

Continuem mandando suas perguntas e dúvidas, comentem e compartilhem!

Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas

Pensando nas férias? acesse o Férias por favor!

Veja também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…