Pular para o conteúdo principal

CANDIDATO PODE PARTICIPAR DE DESFILE CÍVICO?


Em pleno período de campanha eleitoral teremos o feriado de 7 de Setembro, e algumas cidades fazem aniversário, onde tradicionalmente realizam-se desfiles cívicos pelo Brasil.

Aí fica a dúvida, o candidato a vereador ou prefeito pode participar desses desfiles?



A lei não traz uma resposta pronta sobre o caso, por isso fomos pesquisar na jurisprudência, que é o entendimento dos Tribunais sobre determinadas matérias.

Neste caso, em anos anteriores os Tribunais Brasileiros consideraram que os candidatos podem sim participar dos desfiles cívicos, seja de 7 de Setembro, seja de aniversário da cidade, desde que não peçam votos ou façam propaganda eleitoral durante o desfile.



Vemos os seguintes julgamentos:

RECURSO ELEITORAL. ALEGADO DESEQUILÍBRIO AO PLEITO. CANDIDATO A VEREADOR QUE PARTICIPA, COMO PARA-ATLETA, DE DESFILE CÍVICO DE SETE DE SETEMBRO. INEXISTÊNCIA DE ABUSO, CAPTAÇÃO DE SUFRÁGIO OU PROPAGANDA ELEITORAL. SENTENÇA IMPROCEDÊNCIA. RECURSO DESPROVIDO. (TRE-SP - RE: 64486 SP, Relator: CLARISSA CAMPOS BERNARDO, Data de Julgamento: 31/01/2013,  Data de Publicação: DJESP - Diário da Justiça Eletrônico do TRE-SP, Data 07/02/2013).



RECURSO - REPRESENTAÇÃO - PARTICIPAÇÃO DE CANDIDATOS EM DESFILE CÍVICO PORTANDO BANDEIRAS OFICIAIS - SUPOSTA INFRINGÊNCIA AO ART. 37, § 1º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL C/C ART. 77 DA LEI N. 9.504/1997 - PUBLICIDADE INSTITUCIONAL E PARTICIPAÇÃO EM INAUGURAÇÃO DE OBRA PÚBLICA - INOCORRÊNCIA - PROPAGANDA ELEITORAL IRREGULAR - NÃO-CONFIGURAÇÃO - IMPROCEDÊNCIA - MANUTENÇÃO DA SENTENÇA - DESPROVIMENTO. (TRE-SC - RDJE: 1366 SC, Relator: OSCAR JUVÊNCIO BORGES NETO, Data de Julgamento: 17/02/2009,  Data de Publicação: DJE - Diário de JE, Tomo 33, Data 25/02/2009, Página 8).

Logo, os candidatos podem desfilar, desde que não peçam votos durante o desfile.

Terminado o desfile, poderá o candidato fazer o conhecido corpo-a-corpo, onde se cumprimentam os eleitores presentes e se pede voto, com distribuição de santinhos e se fazerem acompanhar por cabos eleitorais, portando bandeiras etc.


O que não pode acontecer é candidato desfilar pedindo votos.

Continuem mandando suas perguntas e dúvidas no formulário de contato do lado do texto.
Compartilhe no Facebook e olhe nossos anúncios com carinho, pois eles ajudam a manter o blog no ar!

Comentem, compartilhem e cliquem aí no g+, o botão vermelho aí em baixo, isso ajuda a divulgar o blog e possibilita que outras pessoas nos encontrem no Google, ou seja, você ajuda a que outras pessoas também possam ser ajudadas!

Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas 

Pensando nas fériasacesse o Férias por favor!

Veja também:
NOVO CPC: a audiência de conciliação é obrigatória?

RESUMOS JURÍDICOS: JULGAMENTO DO CHEFE DO EXECUTIVO: Competências
RESUMOS JURÍDICOS: Competência para julgar ADIn
RESUMOS JURÍDICOS: EXTINÇÃO DO ATO ADMINISTRATIVO para concursos e exame da OAB
RESUMOS JURÍDICOS: Livramento Condicional para concursos e exame da OAB
Resumos Jurídicos: USUCAPIÃO – PARA CONCURSOS E EXAME DA ORDEM
RESUMOS JURÍDICOS: INTERPRETAÇÃO DAS LEIS
RESUMOS JURÍDICOS: Sequestro Relâmpago
RESUMOS JURÍDICOS: Furto
Posse injusta pode gerar usucapião?
União Estável: há direito a herança?
Casamento: Comunhão Parcial de Bens
Separação de Bens: e agora? (doação a um só filho)Só me separei de FATO, TENHO ALGUM DIREITO???
ESPOSA PODE SER HERDEIRA TESTAMENTÁRIA?
O CASAMENTO GAY
FAÇA PARTE DO BLOG VOCÊ TAMBÉM!!!
Casamento no código antigo, como fica a partilha? (COMUNHÃO UNIVERSAL)
Publicada resolução com regras para distribuição de servidores do Judiciário
Guarda compartilhada pode ser decretada mesmo sem consenso entre pais?
Ação de Guarda
Alimentos devidos a menor prescrevem?
Alimentos: constituição de nova família diminui o valor?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…