Pular para o conteúdo principal

CONCEITO DE CIDADANIA


A existência de uma “cidadania” não é consenso entre as várias sociedades humanas nas diversas eras que a humanidade vivenciou. Ora se consagra a existência de uma cidadania plena, ora se nega completamente a cidadania às pessoas, e outras vezes se adotou um conceito mitigado de cidadania.

Na Grécia antiga vemos os primeiros resquícios do conceito de cidadania. Neste ponto devemos lembrar que a Grécia não era um país como hoje conhecemos, mas sim um conjunto de cidades-estados independentes que existiam no território helênico.

Para os gregos, o cidadão era o habitante da cidade, da polis, que tinha profundo comprometimento cívico. Logo, para ser considerado cidadão a pessoa deveria estar ocupado com o desenvolvimento do seu mundo, seja participando da defesa da cidade, ou da disseminação do conhecimento, administração etc.

A cidadania decorria da virtude cívica, ou seja, da característica dos homens livres de estarem intimamente ligados com a defesa dos interesses da polis.

Já no império Romano, o conceito de cidadania foi ampliado em favor do cidadão, uma vez que além do comprometimento com os interesses da sua cidade, o status de cidadão Romano outorgava à pessoa a possibilidade de usufruir de direitos frende ao Estado e aos demais cidadãos, bem como lhe impunha determinadas obrigações.

Importante observar que a civitas romana, ou seja, a cidadania romana garantia uma série de direitos civis e políticos, fato até então inéditos nos aglomerados urbanos.

Entretanto, assim como na Grécia, a cidadania não era conferida a todos, pois havia uma série de restrições, sendo a cidadania negada a várias classes de pessoas como os estrangeiros e os escravos. Note-se que ao mesmo tempo em que a cidadania outorgava direitos aos Romanos, também retirava direitos dos não romanos, e portanto não cidadãos, sendo essa uma forma de dominação das sociedades conquistadas por Roma.

Com o esfacelamento e declínio do império romano, surgiu a chamada idade média, também conhecida como idade das trevas.

Esse período foi especialmente tenebroso quanto a cidadania, pois o feudalismo reinante negou completamente a existência da cidadania e garantia de direitos civis ou políticos às pessoas, pois em seu lugar foi instituída a vassalagem, onde os vassalos e súditos se prestavam compromisso de submissão aos donos de terras, que passava a ter um poder soberano em seu território.

Nesse período a Igreja Católica constituiu uma espécie de cidadania, que garantia ao batizados personalidade, e, portanto, direitos, na igreja, contudo essa cidadania universal religiosa não se estendeu à esfera privada, razão pela qual as pessoas continuaram a ter seus direitos básicos negados nesse período.

Com a transformação das sociedades, de profundamente agrícola para urbana, surgiu a burguesia, formada por comerciantes ricos, que queriam ter direitos e praticar livremente seu comércio sem a intervenção dos soberanos.

Esse crescente movimento de fortalecimento da burguesia levou ao renascimento, que pregava o resgate dos valores, artes, etc. gregos e romanos. Entre os conceitos resgatados estava o da cidadania, que reforçado pelo iluminismo, buscou trazer de volta os direitos civis e de participação política às pessoas.

Essa evolução do pensamento crítico contra os absurdos cometidos pelos soberanos que se utilizavam de seu poder absolutista deu ensejo ao surgimento de várias revoltas e revoluções, sendo as principais a revolução francesa (século XVIII) e a revolução inglesa (século XVII).

Essas revoluções culminaram na restauração da cidadania às pessoas, contudo de uma forma diferente das cidadanias gregas ou romana, uma vez que não mais se priorizava a submissão e participação do cidadão na defesa dos interesses do estado, mas sim foram garantidos aos cidadãos direitos civis, políticos que garantiam a diminuição do poder do Estado, e a atribuição dos direitos dos cidadãos contra o Estado. Surgia aí o liberalismo.

O Brasil foi colonizado tendo como base o feudalismo, seja por ocasião da instituição das capitanias hereditárias, seja no período do coronelismo. Logo, no início deste país a cidadania também foi negada aos habitantes, o que também deu ensejo a revoltas, como a inconfidência mineira.

Observe-se, no entanto, que aqui de início foram garantidos os direitos políticos dos cidadãos desde a época do absolutismo, uma vez que estes foram garantidos com a declaração de independência, e posteriormente confirmados com a proclamação da república. Contudo era uma cidadania censitária, porquanto somente garantido aos ricos, sendo negados os direitos das mulheres e crianças.

Posteriormente, já no governo de Getúlio Vargas, com a criação do Ministério do Trabalho e outorga da Consolidação das Leis Trabalhistas, em 1943, os direitos civis começaram a ser garantidos aos cidadãos. Entretanto, por várias vezes esses direitos decorrentes da cidadania foram suprimidos por golpes, como o Militar de 1964.

Somente após demonstração de imensa insatisfação da população externada pelo movimento das Diretas Já que o país se reconduziu para a democracia. Esse movimento culminou com a Constituição de 1988, apelida de constituição cidadã, uma vez que garantiu uma grande quantidade de direitos civis e políticos, limitando a atuação estatal.

Vemos, portanto, dessa rápida digressão histórica que a cidadania no mundo passou e continua passando por mudanças, algumas boas e outras ruins para os cidadãos. Nesse passo, no Brasil também há muitas mudanças no conceito de cidadania, que não necessariamente significam evolução, pois a cidadania é ampliada ou suprimida de acordo com a vontade das classes que ocupam o poder.


Assim, faz-se necessário um amplo trabalho de educação com a população para que fiquem cientes da sua condição de pessoas detentoras de direitos e não mais se sujeitem a situações de exceções como os golpes, sejam eles políticos ou militares.
Abraços!
Continuem mandando suas perguntas e dúvidas no formulário de contato do lado do texto.
Compartilhe no Facebook e olhe nossos anúncios com carinho, pois eles ajudam a manter o blog no ar!
Comentem, compartilhem e cliquem aí no g+, o botão vermelho aí em baixo, isso ajuda a divulgar o blog e possibilita que outras pessoas nos encontrem no Google, ou seja, você ajuda a que outras pessoas também possam ser ajudadas!
Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas 
Tem o Instagram também, segue lá:   

Veja também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…