Pular para o conteúdo principal

Pode dar palmada???



O Papa Francisco recentemente (dezembro de 2014) fez uma declaração que causou certa polêmica, ele disse:

"Um bom pai sabe esperar e perdoar, mas também corrigir com firmeza. Não é nem fraco, nem permissivo, nem sentimental" (...) "uma vez, durante uma reunião, ouvi um pai dizer: 'às vezes dou umas palmadas em meus filhos, mas nunca no rosto para não humilhar'. Isso é bonito, tem um senso de dignidade. Ele deve punir, e de maneira justa".

            Veja bem, não estou aqui para julgar o que o Papa disse, se certo ou errado, mas pegar essa afirmação como gancho para falar como a lei brasileira regulamenta a relação dos pais com os filhos.

                Os pais tem o dever de proteger, educar, sustentar e dar carinho aos filhos!

            O dever de sustento durante o casamento é normal, cabe aos pais prover o necessário em casa, sem mandar os filhos trabalhar ou pedir nas ruas. Após o fim do casamento o pai que não ficou com a guarda deve pagar pensão alimentícia (sendo que para a sua fixação será analisada a necessidade-possibilidade-proporcionalidade).

            O dever de dar afeto e carinho já foi reconhecido pelos tribunais eu, inclusive, já condenaram pais a indenizar, pagando uma quantia em dinheiro aos filhos que não tiveram esse carinho, o chamado abandono afetivo.

            Tem gente até que defende que os pais que discriminam ou expulsam filhos de casa por serem gays devem ser condenados a indenizar por danos morais.

            E tem o dever de educar.

         Essa educação não é só mandar para a escola, mas sim também de passar valores familiares e morais para os filhos.

            E para educar os pais podem bater nos filhos???

            O tema é polêmico!

            De início é fato que não pode espancar, isso é crime e dá cadeia (arts. 129 e 136 do Código Penal).

            Mas e dar um tapa, como o Papa disse, pode?

            No Brasil foi aprovada a lei Menino Bernardo, ou lei da Palmada, a qual diz que não pode ser utilizado castigo que cause sofrimento físico ou psicológico, ou seja, não pode bater.

            Qualquer palmada, em princípio não, pois palmada de leve, com sentido pedagógico continua podendo, mas alguns doutrinadores diz que nem isso pode.

            Bater mais forte pode configurar outros crimes:

Ex1: se o castigo físico provocar lesão corporal, haverá punição com base no art. 129, § 9º do CP. Pena: detenção de três meses a três anos.

Ex2: o Código Penal também prevê que é crime “expor a perigo a vida ou a saúde de pessoa sob sua autoridade, guarda ou vigilância, para fim de educação, ensino, tratamento ou custódia, quer privando-a de alimentação ou cuidados indispensáveis, quer sujeitando-a a trabalho excessivo ou inadequado, quer abusando de meios de correção ou disciplina” (art. 136). Pena: Detenção de dois meses a um ano ou multa.

Ex3: o art. 232 do ECA tipifica o delito de “submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento”. Pena: Detenção de seis meses a dois anos. (Prof. Márcio André Lopes Cavalcante, http://www.dizerodireito.com.br/2014/06/breves-comentarios-sobre-lei-130102014.html)

             Ou até mesmo a perda do poder familiar (o pai ou mãe deixa de ser pai ou mãe e a criança pode até mesmo ser encaminhada para adoção), como previsto no Código Civil:

Art. 1.638. Perderá por ato judicial o poder familiar o pai ou a mãe que:
I - castigar imoderadamente o filho;


            Mas já era assim, a lei não mudou praticamente nada em termos de punição, trouxe apenas um caráter pedagógico aos pais.

Gostou? então ajude o blog fazendo uma doação, é fácil, só clicar no botão do PagSeguro - Uol aí em cima, é rápido e muito seguro.

Abraços!

Continuem mandando suas perguntas e dúvidas.

Comentem, compartilhem e cliquem aí no g+, o botão vermelho aí em baixo, isso ajuda a divulgar o blog e possibilita que outras pessoas nos encontrem no google, ou seja, você ajuda a que outras pessoas também possam ser ajudadas!

Sigam-nos no Twitter: dtoemcapsulas


Veja também:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…