Pular para o conteúdo principal

RESUMOS JURÍDICOS: Competência para julgar ADIn

Olá, o nosso resumo de hoje vai falar sobre a competência para julgar a Ação Direta de Inconstitucionalidade - Genérica - ADIn.

Alguém já pode estar se perguntando, mas essa ação não corre no Supremo Tribunal Federal - STF?

A resposta é: nem sempre.

Na realidade o que determina a competência para julgar a ADIn é a norma paradigma, ou seja, qual a Constituição está sendo usada para verificar se a lei é inconstitucional ou não, se a Constituição Federal ou se as Constituições Estaduais ou Lei Orgânica do Distrito Federal (a qual possui status de norma constitucional estadual).

Pois cada Constituição tem o seu guardião, no caso da Constituição Federal é o STF e das constituições estaduais são os Tribunais de Justiça - TJ.

Assim, o resumo das competências é o seguinte:

- Lei Federal contra Constituição Federal => STF
- Lei Estadual contra Constituição Federal => STF

O fundamento de tais competências é o art. 102, I, "a" da CF, o qual diz:

Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:I - processar e julgar, originariamente:a) a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual e a ação declaratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal;(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 3, de 1993)

Viram, a própria Constituição Federal definiu que será o STF a julgar tais ações, seja a lei atacada de origem Federal ou Estadual.

Porém, se for:

- Lei Estadual contra Constituição Estadual => TJ
- Lei Municipal contra Constituição Estadual => TJ

Observem que como tais leis contrariam, em tese, a Constituição Estadual, a competência será do Tribunal de Justiça, tudo conforme o art. 125, §2º da CF:

Art. 125. Os Estados organizarão sua Justiça, observados os princípios estabelecidos nesta Constituição.(...)§ 2º - Cabe aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos normativos estaduais ou municipais em face da Constituição Estadual, vedada a atribuição da legitimação para agir a um único órgão.

Mas e no caso de uma lei do Distrito Federal contrariar a Lei Orgânica do Distrito Federal?

A resposta é simples, a competência será do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, o qual é o guardião da referida Lei Orgânica, a qual tem status de Constituição.

E se essa lei Distrital contrariar a Constituição Federal?

Aqui temos duas situações. Como sabemos, o distrito Federal tem competências legislativas tanto dos Municípios quanto dos Estados.

Assim, se a Lei Distrital for produzida na competência de Estado, a ADIn será julgada pelo STF, normalmente.

No entanto, se for feita a referida lei na competência dos Municípios, não poderá ocorrer controle de constitucionalidade por ADIn no Supremo, uma vez  que a CF/88 não previu essa possibilidade.

Quer dizer que lei municipal que contrarie a Constituição Federal está livre de controle?

A resposta é NÃO.

Realmente não é cabível ADIn direto no STF de Lei Municipal que contraria a Constituição Federal, mas esse controle de constitucionalidade poderá ser feito por meio difuso, dentro de outras demandas ou por Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental - ADPF, como pode ser visto no seguinte art.:

Lei 9.882/99
Art. Parágrafo único . Caberá também argüição de descumprimento de preceito fundamental: I - quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal, estadual ou municipal, incluídos os anteriores à Constituição;

Assim, pode haver controle de constitucionalidade de Lei Municipal frente à Constituição Federal, mas não por ADIn - Genérica.

Outra situação interessante ocorre quando uma Lei Estadual ao mesmo tempo contraria a Constituição Estadual e a Constituição Federal, neste caso quem será competente para julgar?

Simples, quem receber a ação, seja o STF ou o TJ. Contudo, se houver duas ADIs, uma no STF outra no TJ, a ação correrá no Supremo e a do TJ ficará suspensa. Este fenômeno é chamado de Simultaneus Processus.

Fica aí um resumo bem completo sobre a competência para julgar a Ação Direta de Inconstitucionalidade.

Gostou? então ajude o blog fazendo uma doação, é fácil, só clicar no botão do PagSeguro - Uol aí em cima, é rápido e muito seguro.

Abraços!

Continuem mandando suas perguntas e dúvidas, comentem e compartilhem!
Sigam-nos no Twitter: dtoemcapsulas

Veja também:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…