Pular para o conteúdo principal

QUESTÃO DE CONCURSO: DIREITO REAL DE SUPERFÍCIE (DEFENSORIA MS)

Olá, aqui vai mais uma questão do último concurso da Defensoria Pública do Mato Grosso do Sul, organizado pela Vunesp:



Esta questão diz respeito ao direito real de superfície, pendido ao candidato que marque a alternativa correta.

A alternativa “A” não está correta, ou está, pois o Código Civil é claro, art. 1.369, em afirmar que o direito real de superfície pode ser concedido de forma temporária, observe:
Art. 1.369. O proprietário pode conceder a outrem o direito de construir ou de plantar em seu terreno, por tempo determinado, mediante escritura pública devidamente registrada no Cartório de Registro de Imóveis.

Entretanto, o art. 21 do Estatuto das Cidades prevê que o direito real de superfície pode ser estipulado de forma indeterminada, se não vejamos:
Art. 21. O proprietário urbano poderá conceder a outrem o direito de superfície do seu terreno, por tempo determinado ou indeterminado, mediante escritura pública registrada no cartório de registro de imóveis.
Neste caso, o direito terá caráter perpétuo, podendo ser transmitido aos herdeiros do instituidor.

este, inclusive é o entendimento do professor Ricardo Lira, que ensina:

O direito real autônomo, temporário ou perpétuo, de fazer e manter a construção ou plantação sobre ou sob terreno alheio; é a propriedade - separada do solo - dessa construção ou plantação, bem como é a propriedade decorrente da aquisição feita ao dono do solo de construção ou plantação nele já existente. (LIRA, Ricardo Pereira. Direito de superfície: aquisição de espaço aéreo sobrejacente a prédio contíguo, in Revista Trimestral de Direito Civil. Rio de Janeiro: Padma, v. 11, jul/set 2002)

A alternativa “B” está errada, pois o direito real de superfície é um direito REAL, como o próprio nome já diz, e como sabido, os direitos reais somente podem ser dispostos por meio de ESCRITURA PÚBLICA, logo a alternativa está errada por afirmar que seria admitido documento particular.

Neste caso a literalidade do art. 21 do Estatuto das Cidades e art. 1.369 do Código Civil responderiam a questão, pois ambos são claros em exigir escritura pública, contudo,  mesmo que o candidato não conhecesse esses artigos, por saber que direitos são REAIS já teria condições de excluir esta alternativa.

A alternativa “C” está incorreta, e podemos dizer que foi uma pegadinha de concurso aqui.

A alternativa diz que : “O superficiário responderá pelos encargos e tributos que incidem sobre o imóvel, não se admitindo deliberação em sentido contrário.”

Veja que a parte grifada em amarelo corresponde exatamente à redação do art. 1.371 do Código Civil, não havendo nenhuma ressalva em tal artigo (permitindo a estipulação em contrário), logo o candidato que somente decorou o Código Civil, erraria esta alternativa, pois a resposta está no Estatuto das Cidades, art. 21, §3º, veja:

(...) § 3o O superficiário responderá integralmente pelos encargos e tributos que incidirem sobre a propriedade superficiária, arcando, ainda, proporcionalmente à sua parcela de ocupação efetiva, com os encargos e tributos sobre a área objeto da concessão do direito de superfície, salvo disposição em contrário do contrato respectivo.

Viram, mais uma alternativa que decorar o Código Civil não ajudaria.

A alternativa “D” está correta, pois Pessoa Jurídica de Direito Público Interno pode constituir Direito Real de Superfície, consoante dito no art. 1.377 do Código Civil, in verbis:

Art. 1.377. O direito de superfície, constituído por pessoa jurídica de direito público interno, rege-se por este Código, no que não for diversamente disciplinado em lei especial.

Veja que a alternativa não é reprodução literal do artigo de lei, mas sim da ideia que o artigo traz em si, pois se a instituição do direito real se superfície por pessoa jurídica de direito público interno será regida pelo Código Civil, é porque tal pessoa jurídica pode instituir o referido direito.

Assim, esta questão é passível de anulação, pois, em teses temos como corretas as alternativas "A" e "D"!

Portanto nesta questão não bastava decorar, mas sim entender a matéria.
Mandem mais sugestões de questões para comentarmos, abraços!
Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas

Veja também:

CORREÇÃO DE PROVA: EMENDATIO LIBELLI (DPE/MS)



Só me separei de FATO, TENHO ALGUM DIREITO???

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…