Pular para o conteúdo principal

IMÓVEL COMPRADO EM NOME DE TERCEIROS

Oi, recebi a seguinte questão:
Olá. Fui casada a 7 anos em comunhão parcial de bens. eu e meu ex marido compramos um sitio financiado, só que como o pai dele e aposentado usamos o nome dele para o financiamento sair mais 
barato. Quando me separei do meu marido ele tentou passar o sitio para o nome do pai dele para que eu não fico com minha parte. O meu advogado embargou as terras ate sai a audiência. Ai é que vem a dúvida. Será que o sítio vai ficar com o pai dele?
Bom de uma simples leitura podemos afirmar que é o típico caso do barato que (pode) sair muito caro.
Pois é, por isso sempre ressalto aqui no blog a necessidade das pessoas procurarem um advogado de confiança ou Defensor Público antes de fazer qualquer negócio Jurídico, como no caso a compra de um imóvel.
Tal procura é importante porque um casal, devidamente casado e que esteja comprando um imóvel nunca vai pensar em se separar antes da referida compra, mas um advogado pensaria nessa hipótese e, com certeza, orientaria as partes a não comprarem bem imóvel e nome de terceiro ou se necessária essa compra fazerem um contrato com esse terceiro que garantisse o direito do casal.
Bom, mas como nada disse foi feito, qual a solução?
Para o divórcio não muda nada, pois este pode se dar sem a partilha dos bens. Quanto a partilha, de direito esse imóvel é de propriedade do sogro da nossa leitora e não deve entrar na partilha, mas ela pode entrar com uma outra ação em face do sogro e do marido para comprovar que na verdade ele somente teria “emprestado o nome” para comprar o imóvel, e se ganhar a referida ação partilhar posteriormente o bem.
Quais as chances? Impossível dizer, pois não sabemos a real situação do caso nem os documentos existentes, o que se pode dizer é que há a possibilidade, sem garantia nenhuma de sucesso.
Casos como este também servem para explicar porque a advocacia é uma atividade meio, ou seja, o advogado nunca pode lhe garantir o resultado final do processo, mas sim que ele vai fazer o possível para que o cliente dele ganhe.
Abraços!
Compartilhe!





Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas 

Veja também: 
União Estável: há direito a herança? 
Só me separei de FATO, TENHO ALGUM DIREITO??? 
Comunhão Universal de Bens: há herança? 
Casamento: Comunhão Parcial de Bens
Separação de Bens: e agora? (doação a um só filho) 
Quem cuida da herança??? 
Direito Real de Habitação

Comentários

  1. Olá!e no caso de um imóvel que não foi transferido por falta de interesse do ex cônjuge. A partilha já foi transitada em julgado, mas precisa de fazer a transferência do bem imovel para depois se dar a meação
    E a ganhadora da causa não tem recursos financeiros para pagar as taxas. E o ex cnjuge não interessa em transferir pois não quer efetivar a partilha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se não tem condições financeiras para pagar as taxas pode pedir justiça gratuita. Converse com seu advogado.
      Compartilhe no Facebook.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…