Pular para o conteúdo principal

Discussão entre vizinhos motiva indenização por danos morais

Porteiro foi ofendido por dois moradores e deverá receber de cada um R$ 3.500

Um porteiro deverá receber indenização de R$ 7 mil de dois moradores do prédio onde trabalhava, pois eles o agrediram verbalmente durante uma discussão sobre a utilização do salão de festas do condomínio. Outras pessoas ofendidas durante o conflito também serão indenizadas. A decisão é da 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

O porteiro e os outros autores da ação narraram nos autos que C.T.B.F. e seu filho B.T.B. utilizavam o salão de festas do condomínio para fins particulares. De acordo com norma interna, a utilização do espaço deveria cessar às 22h, havendo a tolerância de uma hora, sem uso de aparelho de som.

Por volta das 23h20 o porteiro do condomínio, A.M.G.G., dirigiu-se ao salão informando que a utilização do espaço deveria ser encerrada e o som desligado. Os réus começaram então a discutir com o funcionário. J.L.V. passava pelo local com a sua namorada, D.L., e questionou o que ocorria. Os dois foram então também insultados pelos réus. O mesmo ocorreu com a síndica M.L.F.

Diante da atitude agressiva de C. e B. e das ameaças por eles proferidas, a polícia foi chamada ao local e os conduziu à delegacia. Os ofendidos entraram com ação contra C. e B. pedindo indenização por danos morais.

Em Primeira Instância, cada réu foi condenado a pagar ao porteiro do condomínio a quantia de R$ 3.500. Foram condenados ainda a pagar, cada um, a quantia de R$ 2.500 para a síndica e para J. e D.

Os réus recorreram, alegando que o porteiro se dirigiu a eles de forma descortês, ameaçando retirar C. do salão à força ou trancá-lo no local. Entre outros pontos, alegaram ainda que J. interveio ofendendo-os e que a síndica nada fez para encerrar a discussão.

Provas da responsabilidade do réu

Ao analisar os autos, a desembargadora relatora, Cláudia Maia, observou que prova testemunhal colhida em juízo, depoimento pessoal das partes e vídeo anexado aos autos não deixavam dúvidas quanto à responsabilidade dos réus pelo ocorrido.

A magistrada, contudo, avaliou que não havia provas de ofensas de C. contra D., e nem de B. contra a síndica. Tendo em vista esses aspectos, bem como a condição financeira das partes, reformou a sentença.

C. e seu filho B. foram condenados a pagar ao porteiro, cada um, R$ 3.500. C. deverá ainda pagar R$ 2.000 à síndica e a J. O réu B., por sua vez, deverá pagar R$ 2.000 a D. e a mesma quantia a J.

Os desembargadores Alberto Henrique e Luiz Carlos Gomes da Mata votaram de acordo com a desembargadora relatora.


Processo 1.0702.12.016517-1/001

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional - Ascom
TJMG - Unidade Raja
(31) 3299-4622
ascom@tjmg.jus.br
facebook.com/TribunaldeJusticaMGoficial
twitter.com/tjmg_oficial

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…