Pular para o conteúdo principal

Cliente que comprou tablet e não recebeu produto será indenizado

Sentença proferida pela 13ª Vara Cível de Campo Grande julgou procedente a ação movida por D.S.C. para declarar rescindida a compra de um tablet feita pelo autor em um site de compras coletivas. O juiz Alexandre Corrêa Leite determinou a restituição do valor de R$ 259,00, além de condenar o site e a empresa de pagamento on-line ao pagamento de R$ 7.240,00 de indenização por danos morais em razão do produto jamais ter sido entregue.
Narra o autor que no dia 9 de maio de 2012 comprou um tablet pelo site réu no valor de R$ 259,00, com pagamento intermediado pela segunda empresa. Afirma que o produto não foi entregue no prazo estipulado e entrou em contato com a primeira ré para saber o motivo do atraso, mas não obteve êxito. Sustenta que o descaso das empresas em entregar o produto lhe causou abalo moral.
Citada, a empresa de pagamento eletrônico afirmou que apenas intermediou o pagamento e que não comercializou qualquer produto com o autor. Já o site sustentou que é mera intermediária da venda e que a responsabilidade é da anunciante, no caso, B. de A.M.C. Alega também que o atraso pode ter sido ocasionado pelos Correios.
De acordo com o juiz, embora a primeira ré tenha alegado ser mera intermediadora de venda, “isso, ainda que verdadeiro, não afasta sua responsabilidade, na esteira do que foi decidido quando da análise da preliminar levantada pela corré, já que integrou a cadeia de fornecedores e, como tal, responde solidariamente pela má prestação do serviço”.
Ainda conforme o magistrado, o site de compras coletivas “veiculou publicidade onde se compromete à rápida entrega do produto anunciado, especificamente, no prazo de 30 a 70 dias úteis. Ora, ao se valer dessa publicidade para atrair consumidores, deveria o réu cumprir com o que anunciou. Se assim não procede, ocorre evidente disparidade com a mensagem publicitária, fator que dá azo, dentre outras coisas, à restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada”.
Quanto ao pedido de danos morais o juiz afirmou que “o autor tentou incessantemente receber o produto pelo qual havia pago, vez que, por várias vezes, procurou a parte ré para a solução do imbróglio, sem êxito. É aí que reside o dano moral. Ora, não é difícil imaginar a angústia pelo qual passou o autor em razão de que, por várias vezes, prepostos da ré informavam que o problema seria resolvido em determinado prazo, sem que, ao final, de fato, coisa alguma fosse resolvida”.
Com relação à segunda ré, completou o magistrado, embora não tenha sido responsável pelo atraso na entrega, ela integrou a cadeia de fornecedores e como tal deve responder solidariamente pelo dano causado.
Processo nº 0053889-36.2012.8.12.0001

Autor da notícia: TJMS - Secretaria de Comunicação Social - imprensa@tjms.jus.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…