quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

SOBRE O "GLAMOUR"

Nós últimos dias muito se disse sobre o fato de ter uma professora da PUC - RIO ironizado, bem como discriminado, um passageiro de seu voo pelo fato de estar de bermuda e camiseta, vamos à imagem:


(Imagem de ótima Reportagem da Folha de São Paulo)

Pois bem, como se não bastasse a infeliz atitude da referida professora, o Reitor, o qual tem o tratamento de Magnífico, da UniRio, universidade FEDERAL, afirmou que "O glamour foi para o espaço".

Não peso que o glamour tenha acabado, se é que este algum dia existiu, penso sim que uma parcela da nossa sociedade parou no tempo e deixou de acompanhar o "espetáculo do crescimento" vivido por nosso país nos últimos anos, no qual houve um aumento astronômico da classe média.

Tal aumento fez muito bem ao povo brasileiro, o qual pode hoje atingir excelente nível de consumo, bem como utilizar-se de meios de transporte ao qual anteriormente não tinha acesso, como o avião.

O problema é que o aumento do nível de renda, não veio acompanhado do crescimento da educação (estou falando daquela que vem de casa, de berço), note-se educação e não instrução.

Com efeito, falta uma mudança de mentalidade.

Algumas pessoas querem ser reconhecidas como melhores, mas continuam com uma mentalidade pequena. Na Europa, não há essa preocupação exagerada com a vida alheia, ninguém lá quer saber com que roupa você vai viajar, as pessoas são simplesmente educadas e cuidam das suas vidas respeitando a dos outros, coisas professores deveriam ensinar aos seus alunos.

No nosso caso, resta evidente o preconceito contra a pessoa que aparentada ser de uma classe social mais baixa, mas veja só, o fotografado é Advogado, e procurador-adjunto de Nova Serrana, em Minas Gerais, sendo que no momento em que foi fotografado esta voltando de um cruzeiro internacional.

Este exemplo é excelente para verificarmos como, por mais que resistamos, existem preconceitos, pois há julgamentos sem levar em conta quem é a pessoa, o quê ela faz, qual o seu caráter, mas simplesmente como ela se veste, caso contrário não haveria esse tipo de postagem ou mesmo as reações a ela, afinal de contas quer mais glamour em voltar de um cruzeiro internacional?

E convenhamos, cadê o glamour de ser professor? Falo isso com experiência, pois já fui professor de Universidade Federal e Particular e, infelizmente, constatei que são em sua esmagadora maioria muito mal remunerados e pouco reconhecidos. É difícil hoje no Brasil algum professor, que viva exclusivamente do ensino, viajar com “Glamour”, o quê, se existir, somente esta presente na primeira classe ou em Cruzeiros internacionais!

Com certeza o fotografado conhece os seus direitos, mas é bom que todos saibam que sofrer ofensa à honra em rede social, no caso o Facebook, gera direito a indenização por danos morais, como tem decidido os tribunais.

Abraços

Nenhum comentário:

Postar um comentário