Pular para o conteúdo principal

CORREÇÃO DE PROVA: PROMOTOR SUBSTITUTO MS (CONSTITUCIONAL parte 1)


1 - Sobre o Poder Constituinte é incorreto afirmar:
A) o objetivo fundamental do Poder Constituinte Originário é o de criar um novo
Estado.
B) o Poder Constituinte Originário é inicial, não autônomo (segundo a corrente
positivista adotada no Brasil) e ilimitado juridicamente.
C) o Poder Constituinte Derivado também é denominado de Poder Constituinte
Instituído, Constituído, Secundário ou de Segundo Grau.
D) o Poder Constituinte Derivado Decorrente tem como missão estruturar a
Constituição dos Estados-Membros.
E) o Poder Constituinte Derivado é limitado e condicionado.

A alternativa incorreta é a letra “B”, pois, apesar de realmente o Brasil ter adotado a corrente positivista, tal linha de pensamento afirmar ser o Poder Constituinte originário, autônomo e ilimitado, apresentando uma natureza pré-jurídica.

O erro da alternativa está no fato de ter afirmado ser o Por Constituinte originário NÃO autônomo.


2 - Acerca das competências legislativas das unidades da Federação, é incorreto
afirmar:
A) lei complementar poderá autorizar os Estados a legislar sobre questões
específicas das matérias de competência privativa da União.
B) no âmbito da legislação concorrente, compete à União expedir normas gerais
(restritas ao estabelecimento de diretrizes nacionais e uniformes sobre
determinados assuntos) e normas específicas ou particularizantes federais.
C) a competência da União para legislar sobre normas gerais exclui a competência
suplementar dos Municípios, mas não a dos Estados.
D) inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência
legislativa plena, para atender a suas peculiaridades.
E) os Municípios, além de editarem suas leis orgânicas, também possuem
competência para legislar sobre assuntos de interesse local.

O item “C” está incorreto, porquanto não reproduziu fielmente o contido no §2º do art. 24 da Constituição Federal, o qual assim dispõe: A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos Estados.

3 - Relativamente aos princípios de interpretação especificamente constitucionais,
é incorreto afirmar:
A) o princípio da interpretação conforme a Constituição não atua no campo do
controle de constitucionalidade das leis, porque, declarando o Judiciário que
certas aplicações da lei não são compatíveis com a Constituição, está ele apenas
conservando a lei no sistema jurídico, evitando a sua não continuidade, ainda
que com características diferentes, podendo-se, em razão disso, sustentar-se a
atuação do julgador como legislador positivo.
B) o princípio da supremacia constitucional é resultado da rigidez normativa que
ostentam os preceitos de nossa Constituição, impondo ao Poder Judiciário,
qualquer que seja a sede processual, que se recuse a aplicar leis ou atos
estatais reputados em conflito com a Carta Federal.
C) o princípio da presunção de constitucionalidade das leis e dos atos do Poder
Público também significa que, não sendo evidente a inconstitucionalidade,
havendo dúvida ou possibilidade de razoavelmente se considerar a norma como
válida, deve o órgão competente abster-se da declaração de
inconstitucionalidade.
D) o princípio da unidade da Constituição tem o efeito prático de harmonizar as
normas constitucionais, na medida em que se tem de produzir um equilíbrio,
sem negar por completo a eficácia de qualquer delas.
E) o princípio da razoabilidade traduz limitação material também às atividades
normativas do Estado, controlando o arbítrio do legislador.


O item “A” está errada porque a interpretação conforme é uma técnica muito utilizada no controle de constitucionalidade, pois ela visa evitar o vazio normativo que ocorre quando da declaração da inconstitucionalidade da norma, preservando a lei ou ato normativo impugnado penas no seu sentido que não afete a constitucionalidade de sua aplicação. Tal técnica está expressamente prevista no parágrafo único, do artigo 28, da Lei n.º 9.868/99.

4 - Aponte a alternativa incorreta, sobre o tema da intervenção:
A) são hipóteses típicas da intervenção da União nos Estados, dentre outras:
manter a integridade nacional; deixar de ser paga, sem motivo de força maior,
por dois anos consecutivos, a dívida fundada; pôr termo a grave
comprometimento da ordem pública; garantir o livre exercício de qualquer dos
Poderes nas unidades da Federação; o Tribunal de Justiça der provimento a
representação para assegurar a observância de princípios indicados na
Constituição Estadual.
B) segundo a ordem constitucional, sempre em situações excepcionais, a União
pode intervir nos Estados e no Distrito Federal; os Estados podem intervir em
seus Municípios; a União pode intervir nos Municípios localizados em Territórios
Federais.
C) a decretação da intervenção, no caso de desobediência a ordem ou decisão
judiciária, dependerá de requisição do Supremo Tribunal Federal, do Superior
Tribunal de Justiça ou do Tribunal Superior Eleitoral.
D) a decretação da intervenção da União nos Estados, visando assegurar a
observância da forma republicana, do sistema representativo e do regime
democrático, dependerá do provimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de
representação do Procurador-Geral da República.
E) o decreto de intervenção, que especificará a amplitude, o prazo e as condições
de execução e que, se couber, nomeará o interventor, será submetido à
apreciação do Congresso Nacional ou da Assembleia Legislativa do Estado, no
prazo de vinte e quatro horas.

Aqui mais uma questão que exigia ao candidato decorar o texto da lei, porque o item “A” está incorreto pois a alternativa elenca várias hipóteses prevista no art. 34 da CF, contudo não constou a palavra “mais” ao afirmar deixar de ser paga, sem motivo de força maior,
por (mais de dois) dois anos consecutivos, a dívida fundada, uma vez que o texto constitucional exige mais de dois anos.

5 - Sobre o processo legislativo, é incorreto afirmar:
A) a Constituição poderá ser emendada mediante proposta: de um terço, no
mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal; do
Presidente da República; de mais da metade das Assembleias Legislativas das
unidades da Federação, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa
de seus membros.
B) a matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada
não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa.
C) é vedada a edição de medidas provisórias sobre as seguintes matérias, dentre
outras: nacionalidade e cidadania; direito penal e processual penal; organização
do Ministério Público; reservada a lei complementar.
D) a Constituição não admite a iniciativa parlamentar em tema de direito tributário,
pois se trata de iniciativa privativa do Presidente da República.
E) as medidas provisórias terão sua votação iniciada na Câmara dos Deputados.

O item “D” está errado porque o direito tributário não está previsto entre os temas de iniciativa privativa do Presidente da República indicados no art. 61, §1º da CF.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…