Pular para o conteúdo principal

ABSTRATIVIZAÇÃO DO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONCRETO


A “abstrativização” do controle concreto, em linhas gerais é uma tendência de conferir efeitos erga omnes a decisões tomadas em sede de controle difuso-concreto de constitucionalidade. Note-se que tal espécie de controle é aquele ocorrido nos casos concretos, no qual a constitucionalidade de lei ou atos normativos precede a decisão do caso concreto, não integrando o dispositivo da decisão e, em regra, somente possui efeitos inter partes e ex tunc.
Entretanto, o sistema judiciário brasileiro aos poucos vem se afastando da sua raiz Germânico-Romana para se aproximar cada vez mais do sistema anglo-saxônico. Tal alteração de sistema judiciário, provocou essa tendência de abstrativização, na qual as decisões da corte suprema, seja em casos concretos (as quais se transformam em verdadeiros leading case – vide STF – RE316.929/DF) ou de forma abstrata, sempre devem possuir efeitos vinculantes, sobretudo porque tal Corte é a guardiã da Constituição (art. 102 CF/88), razão pela qual a sua interpretação sempre deve prevalecer, inpendentemente da forma pela qual tal interpretação foi expressada (seja no controle concentrado ou abstrato) .
Os defensores de tal astrativização alegam que somente garantindo a autoridade da interpretação do Supremo Tribunal Federal é que se protegerá a força normativa da constituição, que seria enfraquecida se interpretações diversas fosse aplicadas.
 Importante observar que tal tendência não é somente judicial, porquanto já se manifestou no plano legislativo como por exemplo (1) na criação da súmula vinculante (art. 103-A, CF/88), na qual reiteradas decisões em casos concretos podem ser resumidas em um enunciados de súmula vinculante que tem efeitos erga omnes e aplicação obrigatória, súmula esta muito parecida com o stare decisis, instituo típico do direito anglo-saxão; temos também  como outro exemplo legislativo  (2) a repercussão geral (art. 102, §3º, CF/88), a qual aponta sem sombra de dúvidas que o recurso extraordinário perdeu totalmente seu caráter inter partes para efetivamente assumir um papel importante na defesa da Constituição promovida pelo STF, posto que somente os recursos que demonstrarem relevância para a manutenção da ordem constitucional é que serão recebidos e processados; pode-se citar, ainda, como exemplo (3) a possibilidade do relator do recurso no STF julgá-lo de forma monocrática, desde que a decisão esteja em confronto com súmula ou jurisprudência dominante na Corte (art. 557 do CPC).
É claro que o exemplo clássico é o do julgamento do HC 82.959 SP, no qual houve julgamento sobre os crimes hediondos, no qual o relator atribuiu efeitos erga omnes à decisão, sendo que, por não terem muitos julgadores respeitado tal decisão a Defensoria Pública ingressou com a Rcl 4.335/AC, noticiando a ofensa a autoridade da decisão do STF. Outro grande exemplo é a resolução nº 21.702/2004, na qual o TSE adotou de forma erga omnes o entendimento expressado pelo STF para um caso específico do município de Mira Estrela – SP.
Importante observar que tal tendência não é novidade, pois no controle concreto de constitucionalidade efetuado no âmbito dos Tribunais de Justiça, quando o Órgão Especial, ou Tribunal Pleno, decidem, sempre de forma abstrata, pelo reconhecimento da inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, podem os órgãos fracionários de tal tribunal julgar as causas futuras tendo por base tal leading case, nos termos dos arts. 480 a 482 do CPC.
Ps.: Texto criado para concurso promovido pela Prof. Flávia Bahia no Facebook: http://www.facebook.com/flavia.bahiamartins
Página ótima, curtam!

Comentários

  1. Boa tarde!Eu e meu marido ja estamos juntos a dez anos e casados(separaçao legal de bens)no papel a tres anos e temos tres filhos,com a sx esposa ele foi casado em regime de comunhão universal de bens e teve duas filhas.Acho que espliquei,bem,minha dúvida é sobre uma casa que meu marido herdou do pai que morreu antes do 1ºcasamento, e que agora casado comigo,resolvemos alugar, minha dúvida é temos que dividir o aluguel com a 1º esposa do meu marido por causa do regime que foram casados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na realidade você tem que ver o que ficou decidido na partilha do divórcio, se ficou consignado que parte do bem seria da ex mulher ela tem direito sim.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…