Pular para o conteúdo principal

PODE HOMOLOGAR PARTILHA EM INVENTÁRIO SEM PAGAMENTO DE ITCD?

Olá, me desculpem pela ausência, mas estou respondendo a todos. Obrigado pelos mais de 80.000 (oitenta mil acessos) fico muito feliz em poder ajudar um pouco.

Hoje é rápido, recebi muitas (mas muitas mesmo) perguntas sobre a possibilidade de homologação da partilha em inventário sem o pagamento do ITCD, bem como se tal imposto poderia ser pago depois da sentença.

A resposta é simples, está no artigo 192 do Código Tributário Nacional, que assim dispõe:

Art. 192. Nenhuma sentença de julgamento de partilha ou adjudicação será proferida sem prova da quitação de todos os tributos relativos aos bens do espólio, ou às suas rendas. 

Logo, é proibida a homologação da partilha sem a comprovação do pagamento do ITCD.

Quanto ao arrolamento a regra é a mesma, contudo se o imposto for pago a menor, isse fato não impedirá a homologação da partilha, devendo a Fazenda Pública buscar os meios adequados para receber o seu crédito, nesse sentido:

EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO - INVENTÁRIO POR ARROLAMENTO - PEDIDO DE HOMOLOGAÇÃO DE PARTILHA - ITCD - PAGEMENTO - POSSIBILIDADE. - De acordo com o art. 1.031, § 2º, do CPC, mediante a prova da quitação dos tributos relativos aos bens do espólio, deverá ser homologada a partilha amigável realizada entre as partes. Dessa forma, devidamente comprovada a quitação do ITCD, impõe-se a homologação da partilha, sendo que eventual diferença nos valores dos tributos deverão ser cobrados administrativamente.  (TJMG, AGRAVO N° 1.0024.07.507626-5/001)


Comentários

  1. Dr. Leonardo.
    Bom dia.
    Fiquei com algumas dúvidas, principalmente quanto ao termo homologação. Na ementa que o Sr. citou entendemos que após quitado o débito o magistrado homologará a partilha, porém acredito que neste caso, não seria correto afirmar que ele "emitiria" o formal de partilha? Agora algumas questões mais íntimas (se me permite): Inventário em andamento, a meeira e herdeira concordam com a partilha a mesma é homologada e aguarda-se a quitação do ITD para posteior formal de partilha (que será averbado no RGI), porém a herdeira necessário, visando obter o formal apenas referente aos seus bens, procura a Secretaria de Fazenda e parcela o ITD, ou seja, o imposto sobre todo o epólio, o que alcança não apenas os seus bens mas também ao da viúva. A herdeira percebendo que não conseguiria tal formal, desisite de pagar o tributo e nem seu advogado nem o advogado da viúva informa a mesma sobre o parcelamento do ITD. Cinco anos se passam e a viúva recebe uma carta da Dívida Ativa, pelo não pagamento das parcelas do imposto. Minha dúvida é a seguinte: Cabe responsabilidade Civil? Contra quem? advogados ou contra herdeira?
    Aproveito para saudar-lhe pelo excelente trabalho que faz por este meio de comunicação, divulgando o Direito para a sociedade de forma muito simples e inteligente. parabéns.
    Obrigado e fico no aguardo da sua resposta.

    ResponderExcluir
  2. Olá, desculpe pela demora, mas vamos lá. O formal de partilha é consequência da sentença de homologação, é só o documento que serve para averbar a partilha no cartório. Quanto ao pagamento do imposto, se a inventariante não o dizer, outro herdeiro pode pedir sua destituição e ser nomeado como inventariante, ocasião em que, inclusive poderá pedir a venda de um bem para pagar o imposto e terminar o processo. Quanto a responsabilidade civil pela demora do processo pode ocorrer sim, contra a inventariante. Lembre-se que somente se cobra o imposto sobre a herança, não sobre a meação da viúva.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Dr.

    Poderia me esclarecer em relação aos tributos? Quais seriam? Apenas o ITCD? As dividas de IPTU, por exemplo, que foram todas acumuladas após a morte do inventariado, também têm que ser liquidadas para possível homologação de plano de partillha. E em relação aos credores do inventario?

    Atentamente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o ITCD deve ser integralmente pago. As dívidas de IPTU tanto podem ser pagas integralmente, ocasião que que será emitida uma certidão negativa de débitos municipais, como parceladas, sendo emitida a certidão positiva com efeitos negativa, ambas admitidas no processo.

      Excluir
  4. Pago 5das as contas itcd, quanto tempo demora para homologação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois que você apresentar a quitação integral do valor do ITCD nos autos a homologação costuma ser bem rápida. Mas é a comprovação do valor total e não de algumas parcelas.
      Compartilhe no facebook.
      Ajude o blog veja nossos anúncios que ajudam a manter nosso blog no ar.

      Excluir
  5. olá, bom dia!

    Tenho uma dúvida:

    dei entrada numa ação de inventário, herança um imóvel e quantia em poupança, para um único herdeiro( legatário), agora no final a Procuradoria pede para esclarecer o rito a ser adotado, se é Arrolamento.

    se eu responder que sim, que o Rito adotado é o de Arrolameto, obrigatoriamente, já tenho que quitar os impostos?

    grata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o rito do arrolamento é mais simplificado que o do inventário. Como no seu caso como não há necessidade de citação de herdeiros (pois seu cliente é o único) e nem avaliação dos bens (uma vez que é dinheiro) para o encerramento basta que você junte aos autos as certidões negativas fiscais e o pagamento do ITCD que normalmente é calculado direto junto à procuradoria do Estado.
      Compartilhe esta publicação no facebook.
      Olhe nossos anúncios com carinho, pois são eles que mantém o blog.
      Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…