Pular para o conteúdo principal

Quem cuida da herança???


Olá, recebi um comentário em outro artigo, onde dizia que um irmão do inventariante o impedia de adentrar a uma fazenda que integrava o espólio, então resolvi aprofundar mais o assunto.

os bens integrantes do espólio pertencem aos herdeiros, sendo que pelo princípio da saisine a propriedade de tais bens é imediatamente, após a morte do titular da herança, transmitida a seus herdeiros, nos termos do art. 1.784 do Código Civil, que assim dispõe:

Art. 1.784. Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários.

Logo, resta claro não ser o proprietário do bem que busca sua posse, mas sim o seu possuidor legal, que tem o dever de administrar e zelar pelos bens da herança, até que ele seja transferido para seu proprietário, que somente surgirá quando da individualização dos bens do espólio na partilha a ocorrer no feito de inventário.

Esclareço que a qualidade de administrador e guardião dos bens do espólio de que goza o inventariante advém da lei, estando regulada pelos artigos 991 e 992 do código de Processo Civil, que assim dispõe:

“Art. 991.Incumbe ao inventariante:
 I-representar o espólio ativa e passivamente, em juízo ou fora dele, observando-se, quanto ao dativo, o disposto no art. 12, §1º;
 II-administrar o espólio, velando-lhe os bens com a mesma diligência como se seus fossem;
 III-prestar as primeiras e últimas declarações pessoalmente ou por procurador com poderes especiais;
IV-exibir em cartório, a qualquer tempo, para exame das partes, os documentos relativos ao espólio;
 V-juntar aos autos certidão do testamento, se houver;
 Vl-trazer à colação os bens recebidos pelo herdeiro ausente, renunciante ou excluído;
 Vll-prestar contas de sua gestão ao deixar o cargo ou sempre que o juiz Ihe determinar;
Vlll-requerer a declaração de insolvência (art. 748).

"Art.992.Incumbe ainda ao inventariante, ouvidos os interessados e com autorização do juiz:
I-alienar bens de qualquer espécie;
II -transigir em juízo ou fora dele;
III-pagar dívidas do espólio;
IV-fazer as despesas necessárias com a conservação e o melhoramento dos bens do espólio.”

Não há dúvidas, portanto, que é o inventariante a pessoa que tem o dever de guardar, zelar e administrar os bens do espólio, e portanto ser o seu possuidor natural.

Tal conclusão é reforçada pela brilhante lição de  Nelson Nery Junior e Rosa Maria Nery, ao esclarecerem:

“Funções de inventariante. São assemelhadas ao do administrador Judicial (CPC 148 a 150). (…) Administração dos bens.  Ao inventariante cabem as mesmas obrigações devidas pelo administrador judicial ao Juiz (CPC 148).” (Código de Processo Civil Comentado e legislação processual extravagante em vigor, RT, 5ª ed., p.1.331).



O art. 148 do CPC deixa evidente a obrigação de guarda ao administrador judicial dos bens questão sob sua responsabilidade, in verbis:

“Art.148. A guarda e conservação de bens penhorados, arrestados, sequestrados ou arrecadados serão confiadas a depositário ou a administrador, não dispondo a lei de outro modo.”

Nesse sentido, a lição de Luiz Guilherme Marinoni sobre este ponto deixa clara a natureza jurídica das ações propostas pelo administrador, no caso o inventariante: “A guarda dos bens legitima o depositário e o administrador à propositura de ações possessórias.”(Código de Processo Civil Comentado artigo por artigo, 2ª edição revista, atualizada e ampliada, RT:2010, p. 188).

A Jurisprudência também é muito clara e pacífica ao preceituar que o dever de guarda e a posse dos bens do espólio incumbe ao inventariante:

“INVENTÁRIO. DEVER DO INVENTARIANTE. POSSE E GUARDA DOS BENS DO ESPÓLIO. 1. O inventariante exerce a função de auxiliar do juízo e a ele compete representar o espólio e administrar os bens, cuidando deles com a mesma diligência que teria se fossem seus. Inteligência do art. 991, inc. II, do CPC. 2. Se um dos bens está na posse da herdeira e é suscetível de deterioração, cabível a regulamentação do depósito, pelo qual a depositária fica obrigada a manter a guarda e a conservação da coisa depositada, respondendo pelos danos que causar. Caso ela não concorde, compete-lhe a restituição do bem à inventariante. Recurso provido.” (Agravo de Instrumento Nº 70011607322, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves, Julgado em 22/06/2005).

Gostou? então ajude o blog fazendo uma doação, é fácil, só clicar no botão do PagSeguro - Uol aí em cima, é rápido e muito seguro.

Abraços!

Continuem mandando suas perguntas e dúvidas pelo campo de contato aí do lado, comentem e compartilhem!

Por favor, cliquem no ícone do G+ aí em baixo, isso ajuda muito a divulgar o blog!

Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas

Veja também:
União Estável: há direito a herança?
Só me separei de FATO, TENHO ALGUM DIREITO???
Comunhão Universal de Bens: há herança?
Casamento: Comunhão Parcial de Bens
Separação de Bens: e agora? (doação a um só filho)
Quem cuida da herança???
Direito Real de Habitação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…