Pular para o conteúdo principal

Pode o advogado advogar contra ex-cliente???


Olá, essa dúvida eu frequentemente recebo e a resposta é sim!

Na realidade sobre este assunto o Código de Ética da OAB dispõe que:

Art. 19. O advogado, ao postular em nome de terceiros, contra ex-cliente ou ex-empregador, judicial e extrajudicialmente, deve resguardar o segredo profissional e as informações reservadas ou privilegiadas que lhe tenham sido confiadas.

Ou seja, pode sim o advogado advogar contra ex-cliente, em nova ação, desde que resguarde o segredo profissional.

Lembro que advogar contra ex-cliente na mesma ação é crime previsto no Código Penal, que assim, dispõe:

Patrocínio infiel
Art. 355. Trair, na qualidade de advogado ou procurador, o dever profissional, prejudicando interesse, cujo patrocínio, em juízo, lhe é confiado:
Pena - detenção, de seis meses a três anos, e multa.
Patrocínio simultâneo ou tergiversação
Parágrafo único - Incorre na pena deste artigo o advogado ou procurador judicial que defende na mesma causa, simultânea ou sucessivamente, partes contrárias.

Sobre este assunto a OAB – SP estabeleceu ótima resolução, que inclusive deveria ser incorporada ao Código de Ética da OAB, qual seja, estabelecer que o advogado fica impedido de labutar contra seu ex-cliente por dois anos, in verbis:

Exercício profissional - patrocínio de ação contra ex-cliente - vedação ética - espera de dois anos - sigilo profissional - O advogado deve guardar o lapso de tempo de pelo menos dois anos, contados da conclusão do mandato, para advogar contra ex-cliente, e, mesmo após esse período, deve respeitar sempre o segredo profissional e as informações privilegiadas que lhe tenham sido confiadas, pois essa é a inteligência da parte final do artigo 19 do CED. Este Sodalício tem aconselhado o prazo de dois anos desde o fim do último mandato, de modo a não caracterizar conduta antiética, como forma de libertar o advogado não da fidelidade e do sigilo, mas do impedimento de advogar contra pessoa para quem prestou serviços. Proc. E-2.652/02 - V.U. em 21/11/02 do parecer e ementa do Rel. Dr. Luiz Antônio Gambelli - Rev. Dr. José Roberto Bottino - Presidente Dr. Robison Baroni.

Abraços!

Continuem mandando suas perguntas e dúvidas.

Comentem, compartilhem e cliquem aí no g+, o botão vermelho aí em baixo, isso ajuda a divulgar o blog e possibilita que outras pessoas nos encontrem no google, ou seja, você ajuda a que outras pessoas também possam ser ajudadas!

Siga-nos no Twitter: @dtoemcapsulas

Tem o Instagram também, segue lá:  
Instagram

Pensando nas férias? acesse o Férias por favor!


Veja também:

Comentários

  1. Olá Daniel. Boa Tarde.

    Li uma resposta sua no site direitolivre.com sobre uma situação de inventário de carro. Gostaria de uma ajuda sua sobre esse assunto. Meu email é danielshirleyporto@hotmail.com

    Se você puder me ajudar entre em contato, por gentileza.

    Obrigado,

    Daniel Porto

    ResponderExcluir
  2. Art. 19 da CED. O que é CED?
    Ja fui no Estatuto da OAB e nada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o código de ética e disciplina da OAB. Não está no estatuto. É Norma disciplinar criada pela própria OAB.
      Uma pesquisa na Google sobre o ced certamente lhe indicará a legislação completa.
      Abraços!
      Compartilhe no Facebook

      Excluir
  3. Pois é... Estou passando um perrengue na Oab RJ por advogar hoje contra um ex-cliente.

    As ações não são as mesmas, ainda assim estou correndo o risco de sofrer uma penalidade disciplinar.

    Confesso que estou muito triste com tal situação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conheço a forma como a OAB RJ recebe as reclamações, mas não é razoável impor qualquer punição disciplinar se são ações diferentes e foi resguardado o sigilo.
      Caso assim não fosse, estariam considerando que o advogado está eternamente vinculado ao seu cliente, mesmo sem receber nada a mais por isso.
      Compartilhe no facebook, quanto mais colegas informados menor será o risco de abertura de procedimentos por conta disso.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…