Pular para o conteúdo principal

Cobranças de Dívidas e Danos Morais

Olá, recebi a seguinte pergunta:

“Gostaria muito que pudesse me ajudar! Venho recebendo cobranças da loja ***. Porém a atendente vem me cobrando de uma forma bem ridícula , perguntando os motivos pelo o qual eu não paguei , quando vou ter o dinheiro , e ate mesmo que se eu não tenho tempo eu posso estar pedindo alguem para estar efetuando o pagamento. Achei isso de um ato bem constrangedor . Posso processar a empresa por isso?“

Em tempos nos quais cresce a campanha para “atualização” do Código de Defesa do Consumidor é importante respondermos perguntas como esta para esclarecer a todos muitos direitos que, propositalmente, não são esclarecidos à maioria da população.

Este caso, infelizmente, acontece muito, pois as empresas promovem cobranças muitas vezes de forma abusiva.

Sobre a cobrança de dívidas o CDC prevê em seu art. 71 o seguinte:

“Art. 71. Utilizar, na cobrança de dívidas, de ameaça, coação, constrangimento físico ou moral, afirmações falsas incorretas ou enganosas ou de qualquer outro procedimento que exponha o consumidor, injustificadamente, a ridículo ou interfira com seu trabalho, descanso ou lazer:
Pena Detenção de três meses a um ano e multa.”

Tal esclarecimento é de suma importância para que os consumidores possam reagir aos absurdos muitas vezes cometidos pelas empresas de cobrança, bem como denunciá-los criminalmente para que que os criminosos (isso mesmo, quem efetiva cobrança dessa forma comete crime e portanto é criminoso) sejam processados em cumpram a sua pena, que pode ir até um ano de detenção e multa, ou seja, até um ano de prisão em regime semi-aberto ou aberto mais a multa.

Sobre a cobrança de dívidas o CDC dispõe ainda que:


“Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.
Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.
Art. 42-A. Em todos os documentos de cobrança de débitos apresentados ao consumidor, deverão constar o nome, o endereço e o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas – CPF ou no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ do fornecedor do produto ou serviço correspondente. (Incluído pela Lei nº 12.039, de 2009)”


Logo, se a cobrança é indevida o consumidor tem direito de receber o valor pago em excesso em DOBRO, mais juros e correção monetária.


Quanto a possibilidade de processo pedindo indenização por danos morais, este é plenamente possível, pois ao cobrar a dívida de forma indevida o credor está descumprindo a lei e principalmente afetando a esfera moral do devedor, fazendo daí nascer para o devedor o direito a indenização por danos morais, conforme já decidiu a jurisprudência:


EMENTA: DANOS MORAIS - INDENIZAÇÃO - EXPOSIÇÃO A COBRANÇA VEXATÓRIA -COMPROVAÇÃO - REPARAÇÃO INDEVIDA.
Para justificar o deferimento de indenização por cobrança abusiva, deve o consumidor inadimplente comprovar o ato ofensivo do credor, de modo a expô-lo ao ridículo e ao constrangimento indevido e abusivo na cobrança, evidenciando a lesão em sua honra, em sua moral ou em sua imagem.
Comprovada a exposição a cobrança vexatória de dívida, diante dos vizinhos do devedor, deve o credor responder pelo abuso realizado por seu mandatário, autorizado a proceder à cobrança. (TJMG, Númeração Única: 4632786-46.2000.8.13.0000, Relator:Des.(a) D. VIÇOSO RODRIGUES, Publicação: 27/04/2005).

É isso mesmo, promover cobranças de dívidas de forma abusiva, interferindo no trabalho, DESCANSO ou LAZER do consumidor é CRIME!

Comentários

  1. Preciso tb de uma ajuda - fiquei sem água por 10 dias e toda vez que ligava a call center da Cagece dizia amanhã, um amanhã que nunca chegava. Resumindo fui morar com a esposa e duas crianças menores em uma pousada.Entrei na justiça comum, tive a 1º audiencia (conciliação) e julho é instrução (o que pe isso). O que posso ganhar com esta causa? O que posso fazer para p0esar mais minha petição?

    ejose1972@bol.com.br
    direito7.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Muito legal o seu blog. Sou advogado na minha cidade (Fortaleza/CE) e estudo para ser advogado público.
    Em relação à repetição de indébito trazida pelo CDC, entendo que o direito a pedir em juízo o DOBRO mais juros e correção somente decorre quando o consumidor efetivamente pagou o que o fornecedou cobrou, e não da mera cobrança.
    Abraços. Meu e-mail é igorcrdo@hotmail.com . Comecei a ler o seu blog hj, se tiver algum site interessante para me indicar, ficarei grato.

    ResponderExcluir
  3. ola boa tarde possivelmente ire precisar de sue serviços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…