Pular para o conteúdo principal

Alimentos aos pais

Olá, recebia seguinte pergunta por meio de um comentário e resolvi compartilhar com todos:


Faço uma pergunta que talvez seja pertinente: Sou separado,mas não judicialmente, a unica prova que tenho é que ela saiu de casa, foi morar com outro e teve um filho.
Minhas filhas, desde a época da minha separação, não sairam de perto de mim, aliás, estavam ganhando um ótimo estudo, comida e sustento que vinha de minha mãe, onde eu morava com ela, escolas de ingles, onde uma já se formou e tem a faculdade jus a minha mãe.
Eu sou uma pessoa com epilepsia, e como cada caso é um caso, o meu não é dos melhores, pois a 45 anos tenho esta deficiência.
Minha filha mais velha está com 20 anos e quer tomar posse do que o que minha mãe me deixou, além do mais, não me faz compras como um simples café ou até uma passagem de ônibus, ela se recusa a dar o dinheiro que ela ganha e por ventura, eu não tenho como me sustentar financeiramente. 
Tenho minha filha mais nova que já não sabe se vai na onda da irmã mais velha ou me dá um empurrão para ter oportunidades que se em minha vida inteira foi marcada por epilepsia X empregos, hoje com os meus 45 anos está bem pior.
Minha condução diária é de bicicleta, ótimo para a minha saúde, mas quando me acontece um acidente, volto a pé do hospital, o que exatamente aconteceu ontem!
Minha filha diz pagar todas as despesas, energia eletrica, mas dentro do que ela ganha tem 1/3 a mais do salário dela que é destinado a mim, que ora foi dado pelo meu cunhado. onde uso 1/5 para essas tarefas.
Minhas filhas não querem que eu possa ter uma esposa ou namorada, e tenho 45 anos e ela 20.
Gostaria de saber o que posso reverter, para que ela desse este tostão, para que aceitasse o que eu peço, pois vou chegar ao extremo. Sou uma pessoa muito calma, alias muito calma mesmo, talvez devido aos medicamentos, e não gostaria de erguer a mão para minha filha, já que eu nunca fiz isso em minha vida.
Finalizando, a mãe delas saiu de casa em 2004, mas não tínhamos contato desde 1999.
Eu sou epiléptico mas não sou burro, talvez poderia até colocar ela como bigamia e minhas filhas com maus tratos ao pai.

Como vimos a situação é complexa, então vamos por partes.

De início é importante que essa separação seja regulamentada, até para proteger o patrimônio do marido, que eventualmente pode adquirir algum coisa e correr o risco de ter que dividir com a esposa. Neste caso é importe ser feita a separação judicial ou divórcio.

Quanto ao problema com as filhas, ao que me parece elas possuem melhores condições financeiras. então, em casos assim, pode o pai pedir pensão alimentícia às filhas.

Exatamente isso, o código civil prevê que os alimentos são mútuos entre ascendentes e descendentes, ou seja, uns podem pedir para os outros, vejamos:

Art. 1.694. Podem os parentes, os cônjuges ou companheiros pedir uns aos outros os alimentos de que necessitem para viver de modo compatível com a sua condição social, inclusive para atender às necessidades de sua educação.
§ 1o Os alimentos devem ser fixados na proporção das necessidades do reclamante e dos recursos da pessoa obrigada.
§ 2o Os alimentos serão apenas os indispensáveis à subsistência, quando a situação de necessidade resultar de culpa de quem os pleiteia.
Art. 1.695. São devidos os alimentos quando quem os pretende não tem bens suficientes, nem pode prover, pelo seu trabalho, à própria mantença, e aquele, de quem se reclamam, pode fornecê-los, sem desfalque do necessário ao seu sustento.
Art. 1.696. O direito à prestação de alimentos é recíproco entre pais e filhos, e extensivo a todos os ascendentes, recaindo a obrigação nos mais próximos em grau, uns em falta de outros.
Art. 1.697. Na falta dos ascendentes cabe a obrigação aos descendentes, guardada a ordem de sucessão e, faltando estes, aos irmãos, assim germanos como unilaterais.

Logo, podem SIM os pais pedir pensão alimentícia aos filhos que serão obrigados a pagá-la, sob pena, inclusive, de prisão.

Assim, no caso acima, deve ser feita a separação ou divórcio, podendo o pai pedir judicialmente pensão alimentícia às filhas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…