Pular para o conteúdo principal

Mantida decisão de danos morais e materiais contra Unimed

Por maioria e vencido o relator, os desembargadores da 5ª Turma Cível negaram provimento aos recursos de apelação da Unimed Campo Grande e de E.P., ambos resultados da recusa de ressarcimento hospitalar.

Em março de 2007, E.P. ingressou com ação em desfavor da Unimed visando ser ressarcido de despesas pagas com tratamento médico-hospitalar de P.K.P., vítima de ferimento acidental por arma de fogo no crânio, na cidade de Campo Mourão (PR). Pela gravidade, E.P. teve que arcar com o transporte aéreo para a remoção da paciente para São Paulo, porque o disponibilizado pela Unimed foi desaconselhado, em razão da  gravidade do estado clínico da paciente. A Unimed alegou que o contrato não previa cobertura em hospitais de "alto custo", não levando em consideração de que a paciente somente foi internada em São Paulo em consequência de seu estado crítico.

Posteriormente, em janeiro de 2008, E.P., propôs nova ação com fim de obter ressarcimento das despesas com o tratamento domiciliar, auxílio funeral e compensação moral pela dor e constrangimentos a que foram submetidos com a negativa da Unimed na prestação adequada dos serviços. Os processos foram julgados procedentes e parcialmente procedentes, em que somente se alterou o pedido de dano moral, fixado em R$ 30 mil.

Na apelação movida por E.P., o pedido era de que o valor do dano moral fosse majorado. Na apelação movida pela Unimed, a empresa sustentava que não deveria pagar nenhum dano em razão do contrato formulado entre ela e E.P.

O relator do processo, Des. Luiz Tadeu Barbosa Silva, manteve a decisão de ressarcimento alegando em seu voto que "o entendimento encontra amparo na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça firmada no sentido de que é possível o ressarcimento das despesas com internação em hospital não credenciado por plano de saúde em certos casos especiais, como inexistência de estabelecimento credenciado no local, recusa do hospital conveniado de receber o paciente e urgência da internação".

Ao tratar da matéria relativa ao dano moral, o desembargador entendeu que não há incidência se os fatos imputados se fundam em cláusula contratual: "a simples recusa da empresa em efetuar o pagamento dos valores requeridos não é motivo suficiente a causar abalo ou desgaste psicológico a ponto de caracterizar o dano moral, como justifica o apelante".

Entretanto, na decisão da 5ª Turma Cível, o voto que prevaleceu foi o do revisor, Des. Júlio Roberto Siqueira Cardoso. Em seu voto verbal, ele sustentou que "o apelante teve que vender o carro da família e dormir no hospital para arcar com os custos que deveriam ser suportados pelo detentor do plano de  saúde e não o foram, fatos que efetivamente causaram constrangimento e que possibilitou a condenação em danos morais".

Des. Sideni Soncini Pimentel, vogal neste processo, votou com o revisor, alegando que "a recusa atinge a dignidade humana do usuário, que quando mais precisou de um seguro que vinha pagando, teve resistido seu pedido, causando o dano moral". Com tal decisão, ambas as apelações foram negadas, mantidas as decisões de 1º grau.

Fonte: TJMS

Nosso Twitter: @dtoemcapsulas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…