Pular para o conteúdo principal

Cessão de Direitos Hereditários

Olá, encontrei a seguinte dúvida no fórum do Jus.com.br:
Recentemente, uma colega, viúva, me indagou acerca do interesse em adquirir um de dois terrenos deixados por seu falecido esposo. Ocorre que o falecido deixou, além desses terrenos, outros bens (casas), e sete filhos. Ela alega que acordou com os filhos herdeiros que um lhe pertence e que, com a venda desse terreno, faria uma reforma em uma das casas deixadas pelo falecido. As dúvidas são: a) Ela pode vender um desses terrenos para mim, através de escritura de cessão de direitos, até que o inventário extrajudicial seja realizado?. b) Depois, ela pode me incluir no inventário?
Esse questionamento é muito bom para conversarmos sobre cessão de direitos hereditários.
A cessão é uma espécie de venda do direito à sucessão aberta, ou seja, o herdeiro vende a terceiro o seu eventual quinhão
Tal instituto está regulamentado pelos arts. 1.793 e seguintes do Código Civil:

Art. 1.793. O direito à sucessão aberta, bem como o quinhão de que disponha o co-herdeiro, pode ser objeto de cessão por escritura pública.
§ 1o Os direitos, conferidos ao herdeiro em conseqüência de substituição ou de direito de acrescer, presumem-se não abrangidos pela cessão feita anteriormente.
§ 2o É ineficaz a cessão, pelo co-herdeiro, de seu direito hereditário sobre qualquer bem da herança considerado singularmente.
§ 3o Ineficaz é a disposição, sem prévia autorização do juiz da sucessão, por qualquer herdeiro, de bem componente do acervo hereditário, pendente a indivisibilidade.
Art. 1.794. O co-herdeiro não poderá ceder a sua quota hereditária a pessoa estranha à sucessão, se outro co-herdeiro a quiser, tanto por tanto.
Art. 1.795. O co-herdeiro, a quem não se der conhecimento da cessão, poderá, depositado o preço, haver para si a quota cedida a estranho, se o requerer até cento e oitenta dias após a transmissão.
Parágrafo único. Sendo vários os co-herdeiros a exercer a preferência, entre eles se distribuirá o quinhão cedido, na proporção das respectivas quotas hereditárias.
Art. 1.796. No prazo de trinta dias, a contar da abertura da sucessão, instaurar-se-á inventário do patrimônio hereditário, perante o juízo competente no lugar da sucessão, para fins de liquidação e, quando for o caso, de partilha da herança.
Pelo visto, a cessão de direitos hereditários sobre bem específico somente produzirá efeitos caso efetuada por todos os herdeiros, Pois consoante o art. 1.793, §2º do CC, caso essa espécie de cessão for efetuada por um único herdeiro, esta não produzirá efeitos.
É bom lembrar que a cessão sempre deve ser feita por escritura pública, ou termo n os autos, sendo possível à pessoa que adquiriu os direitos hereditários iniciar o processo de inventário, caso os herdeiros não o façam, ou habilitar-se em inventário já em curso.
Para quem pensa em fazer esse tipo de negócio, é bom se cercar de todos os cuidados, pois, caso a cessão seja feita em desconformidade com a lei, esta não produzirá efeitos, e certamente causará muitos prejuízos.

PS.: um grande abraço para o pessoal do Japão que está acessando o blog!

Comentários

  1. Olá Leonardo.
    Vi sua mensagem (abaixo) em um fórum e gostaria que me ajudasse a tirar uma dúvida: Uma senhora faleceu em um asilo de idosos e a certidão de óbito expedida não relacionava os filhos dela, ou seja, não apontava nenhum herdeiro.
    Ela possuía uma casa onde morava uma sobrinha dela e não se sabe ao certo quantos filhos existem daquela senhora falecida.
    Para abertura do inventário, como garantir a inserção de todos os herdeiros, já que nem a sobrinha sabe ao certo quantos são? Pode haver convocação por edital ou coisa assim?

    Grato desde já pela ajuda.

    Beto
    betoboaretto@yahoo.com.br

    ------------

    isso é muito simples de saber, na certidão de óbito do seu pai ou mãe deve ter constado os nomes dos filhos, assim, se consta o seu nome na certidão de óbito não há como omitirem a sua existência, podendo no máximo dizer que vc não foi localizado, ocasião em que sua cota parte ficará reservada. mais informações no meu blog: http://direitoemcapsula.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá, havendo certeza da existência dos descendentes é possível sim a citação destes por edital fixando prazo para se habilitarem. Mas há um jeito mais fácil de descobrir, primeiro tentar com os pais da sobrinha e segundo, caso se conheça as cidades onde a idosa viveu basta pedir ao cartório de registro civil local uma pesquisa nas certidões de nascimento em que ela conste como mãe. Aí com a localização dos registros obter os endereços é mais fácil, pode-se fazer uma pesquisa junto à justiça eleitoral ou receita federal por exemplo.

    ResponderExcluir
  3. Olá, eu vi este post e tenho uma dúvida:
    Sou filho fora do casamento, e meu pai, apesar de nunca ter tido qualquer contato comigo, pagou certinho minha pensão de alimentação. A minha dúvida é:
    Hoje eu tenho 28 anos e meu pai, sempre teve uma ótima condição financeira e eu vivi com minha mãe sempre no "aperto financeiro". Tenho uma irmã e um irmão que são filhos legitimos do meu pai. Tenho direito a herança assim como meus irmãos?
    Ah, esqueci de citar,já sou casado, tenho direito nesta condição?

    ResponderExcluir
  4. você tem exatamente os mesmos direitos dos seus irmãos!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Comunhão Universal de Bens: há herança?

Olá, atendendo a um pedido, vamos falar hoje da sucessão do cônjuge sobrevivente casado sob o regime da comunhão universal.

De início é bom lembrarmos que o regime da comunhão universal (pouco usado hoje, mas muito comum entre os idosos, porquanto na época era o regime legal) é aquele em que todos os bens do casal se comunicam, independentemente da origem, se adquiridos antes ou depois do casamento. Na boa, é o regime de bens mais romântico, pois trata os cônjuges como se fossem um.


Romantismos de lado, vamos para a parte prática!

Imaginemos que o marido morreu deixando um patrimônio de R$500.000,00 (eu sei, todos os meus exemplos são com quinhentos mil reais). Ficaram vivos a esposa e quatro filhos, sendo três filhos comuns (ou seja do casal), e um com outra mulher.

Para descobrimos com quem fica a herança devemos consultar a ordem de vocação hereditária, que fica no art. 1.829 do Código Civil, que assim dispõe:
"Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - ao…

União Estável: há direito a herança?

Olá, depois de muitas solicitações resolvi escrever sobre o direito sucessório dos companheiros.  

    Primeiro é importante definirmos quem é o companheiro. O companheiro, ou a companheira, é o que vive em união estável, ou seja, são aqueles que, mesmo sem nenhum impedimento para o casamento, resolveram não se casar, só viver juntos.

Veja essa explicação em vídeo do nosso canal no Youtube:

Aproveite que você já está aqui e por favor clique em gostei e inscreva-se no canal do youtube. Agora seguem as explicações.

       Pois é, a maior parte das pessoas que vivem assim diz que é pela praticidade de ficar juntos e separar-se, mas essa praticidade muda muito quando um deles morre.

    Na realidade nosso atual Código Civil foi muito infeliz ao tratar da herança dos companheiros, primeiro que ele sequer tratou desse tema no lugar correto, que seria o da ordem de vocação hereditária, mas sim nas disposições gerais, pode isso?



     Segundo porque resolveu regular toda essa sucessão em um único…

PRAZO PARA ANULAR A PARTILHA

Muitas pessoas perguntam qual o prazo para anular a partilha feita no inventário.
A resposta é simples, está no art. 2.027, parágrafo único, do Código Civil, vejamos:
CAPÍTULO VII
Da Anulação da Partilha
Art. 2.027. A partilha, uma vez feita e julgada, só é anulável pelos vícios e defeitos que invalidam, em geral, os negócios jurídicos. Parágrafo único. Extingue-se em um ano o direito de anular a partilha.
Logo, o direito de ver a partilha anulada decai em um ano, ou seja, a pessoa perde por completo tal direito no prazo de um ano após homologada a partilha.


E quais são os motivos que podem levar à anulação da partilha? Esta resposta também está no Código Civil, no art. 178, o qual prevê o seguinte:
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de inca…